Resenha: "Em Casa de Estranhos"

Resenha: "Em Casa de Estranhos"

22/02/2016 19:33

 

  Editora: Editorial Bizâncio

  Autor: Margarida Brum

  Edição: 1

  Número de páginas: 310

 

 

 

 

 

Sobre a autora

Margarida Brum nasceu nos Açores e licenciou-se em História na Faculdade de Letras de Lisboa. Professora há mais de vinte anos, orientou estágios, colaborou com vários departamentos do Ministério da Educação e foi co-autora na elaboração de vários programas do Ensino Secundário. 

 

A obra

Olá a todos!

 

Eu sei que, segundo o calendário, iria responder a uma TAG sobre The Hunger Games, mas, visto que acabei a obra que estou a ler, decidi trocar… :) Assim, não têm de esperar muito tempo pela resenha… :)

 

Bem, falando deste título…

 

No fundo, é-nos apresentada, principalmente, Helena, a protagonista. No prólogo, vemo-la como mãe dedicada e cansada, uma mãe divorciada que desempenha o papel de mãe e de pai…

 

Nas páginas seguintes, vivemos a sua infância, primeiro nos Açores, e depois em África, marcada por um episódio negro… É violada numa festa de escola. Mas, inesperadamente, Helena, depois deste momento, pretende reencontrar-se com o amigo de família que abusou dela!! Bem, talvez Helena estivesse confusa… Não sei bem! O certo é que engravidou e foi coagida a casar-se com o filho do violador/amante/whatever… Assim sendo, mudou-se para Lisboa, onde acabou por dar à luz dois filhos, numa relação sem amor… apenas coexistência.

 

Rosarinho (mãe de Helena): “Só faltava a minha filha, vinda de uma terra esquecida e desprezada, para misturar o meu sangue com um cabrito desenxabido, que é um boneco nas mãos do pai!...”

 

 

Já quase no final do livro, encontramos uma Helena diferente, após o divórcio. Uma Helena apaixonada, finalmente com alguém que (embora forreta e cioso dos seus bens), cuidava dela e a acarinhava, a compreendia… Mas teve de esconder o seu segredo…

 

“Agora que já conhecia essa metade, talvez fosse mais fácil explicar-lhe o sentido da frase: – “Vais realizar todos os teus sonhos, verás”, acrescentando-lhe o resto: – “Só que vais ter muito mais trabalho e não era preciso sofreres tanto (…), porque aos dezoito anos trazes na barriga o filho de um homem casado, numa terra como esta”.”

 

O final é de “cortar os pulsos”! ahah Mas não vos quero dar spoiler!!

 

Pessoalmente, gostei da obra. Não achei nada de especial ou que me faça adorá-la, mas realmente dá para passar um bom tempo. Está bem escrito e tal, mas não conseguiu pegar-me à leitura!

 

Um pormenor um tanto peculiar é que a ação encontra-se repleta de analepses e prolepses… Numa página falamos de Helena adulta, de seguida da sua infância, logo depois da infância da mãe de Helena e, nas cinco páginas seguintes ainda vamos parar ao cerco do Porto… :) Por um lado, é um fator de interesse, pela raridade destas situações atualmente, mas, por outro, podia ter algum espaço entre os avanços e recuos no tempo, para que o leitor possa “encaixar” as personagens na sua cabeça!!

 

Este aspeto demonstra um grande conhecimento de História por parte da autora, que nos ajuda a descobrir alguns pormenores esquecidos, ou mesmo desconhecidos na área.

 

Como já devem ter reparado, não existe um “fio de ação” ao qual estamos habituados, mas sim um conjunto de histórias, na verdade, a descrição de pequenos episódios para um conhecimento mais profundo das personagens, talvez a razão para não me ter interessado tanto…

 

Aproveito para vos dizer que o fator histórico da obra me permitiu completar o Desafio Inverso deste mês (na categoria “um romance histórico”).

 

 

Agora, vamos ao sorteio da obra que começarei a ler ainda hoje! :)

 

 

Estou bastante curioso! A capa interessou-me e, para além disso, foi sugestão da própria editora, que nos ofereceu esta obra.

 

Ah! Não se esqueçam que na quarta feira publicarei um artigo sobre os dialectos da literatura!! :) E quem ainda não paticipou no passatempo, faça o favor de participar aqui! :)

 

Boas leituras!! ;)

 

 

Patrocinado por: