Resenha: "Quatro"

Resenha: "Quatro"

23/08/2016 20:10

 

 

 

  Editora: Porto Editora

  Autor: Veronica Roth

  Edição: 1

  Número de páginas: 208

 

 

 

 

Sobre a autora:

Veronica Roth nasceu em Nova Iorque, a 19 de agosto de 1988. Nos seus tempos de faculdade, escreveu esta obra, a sua primeira. Esta coleção valeu-lhe uma série de prémios literários muito conceituados.

 

A obra:

Olá a todos!! :)

 

Depois de ler a trilogia Divergente, não resisti a atacar Quatro, antes de começar a maratona (está a correr bem…).

 

E ele cumpriu o objetivo para o qual li! :) Bem, quase… Deu para matar as saudades da sociedade de fações! Das personagens, de Quatro. Só tive pena de não ter mais cenas com Tris…

 

Isto porque o livro é o percurso de Quatro desde a sua Cerimónia da Escolha até pouco antes do ataque da simulação. E Tris só aparece no final…!

 

Adorei ver a evolução psicológica de Quatro, conhecê-lo melhor… Esta personagem tão enigmática e que ganhou um peso considerável em Convergente. Sim: ainda que as escolhas nos determinem, o passado, a história também (afinal, foram feitas várias escolhas que o definiram e com as quais cresceu).

 

Percebemos como conheceu certas personagens (que também relambramos), o que sentia pelo pai, como descobriu que a mãe estava viva e que liderava os sem fação, a razão da raiva de Eric, a forma como soube que Jeanine tinha influência crescente nos Intrépidos e o que planeavam…

 

E até o que o levou a fazer aquela tatuagem! :)

 

“(…) não iria encontrar um motivo para maltratar o meu corpo com agulhas. Acho que agora já tenho um – aquelas agulhas são uma maneira de me separar do passado, não apenas aos olhos dos meu companheiros Intrépidos, mas aos meus próprios olhos, de cada vez que vir o meu reflexo no espelho.”

 

 

Fiquei muito satisfeito com esta leitura! A escrita mantém-se a meu gosto: objetiva, mas que consegue simultaneamente transmitir as emoções , fazer-nos visualizar as cenas.

 

Contudo, deparei-me com uma grande dificuldade! Já li Divergente há quase um ano e não me recordo de algumas cenas, de certos pormenores!... E por essa razão foi-me difícil acompanhar algumas passagens… Talvez numa releitura eu leia Quatro e Divergente em simultâneo…! :) A verdade é que eu cheguei mesmo a ler algumas cenas de conversas entre os dois (ou a da paisagem dos medos de Quatro!!) nos dois livros (ou seja, nas duas perspetivas, em simultâneo).

 

Bem, depois da leitura de Convergente, depararmo-nos com este livro é fazer um exercício mental de “voltar ao passado”, que nos permite compreender a quantidade de coisas que se alteraram de Divergente até ao último volume da trilogia (e o seu brilhantismo).

 

Resumindo, a minha opinião acerca da coleção e da autora não se modificou! Esteve tudo muito bom, numa leitura bastante fluida e com a mesma reflexão à qual a autora já nos habituou.

 

Boas leituras!! ;)

 

Obras publicadas da coleção:

Divergente

Insurgente

Convergente

 Quatro